Confiança da micro e pequena empresa cresce em 2017 e fecha o ano apontando otimismo - Notícias

Página inicial Promoções Banco de Empregos Telefone/Fax(48) 3431.2100
  • Compartilhe nosso site

Notícias

Notícias da CDL

Confiança da micro e pequena empresa cresce em 2017 e fecha o ano apontando otimismo
Confiança da micro e pequena empresa cresce em 2017 e fecha o ano apontando otimismo 08 de janeiro de 2018

Indicador que mede as condições atuais apresenta melhora expressiva de 7,7 pontos em 12 meses. Para especialistas, tendência é de que 2018 consolide ambiente propício aos negócios, mas ritmo de melhora depende da aprovação de reformas estruturais

 

O Indicador de Confiança da Micro e Pequena Empresa (MPE) atingiu 51,1 pontos no último mês de dezembro, o que representa uma alta de 2,2 pontos na comparação com o mesmo mês de 2016, segundo dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Em novembro, o indicador marcara 51,5 pontos, ligeiramente acima do dado de dezembro.

 

É a primeira vez desde 2015, início da série histórica, que o indicador de confiança dos micro e pequenos empresários termina o ano acima do nível neutro de 50 pontos, o que sinaliza um predomínio do sentimento positivo entre esses empresários. Em dezembro de 2015 o indicador se encontrava na casa dos 40,0 pontos. Pela metodologia, o indicador varia de zero a 100, sendo que, acima de 50 pontos, reflete confiança desses empresários e, abaixo dos 50 pontos, reflete desconfiança com os negócios e com a economia.

 

Na avaliação da economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, a melhora da confiança dos empresários de menor porte, embora ainda discreta, reflete a lenta recuperação da economia brasileira nos últimos meses. “É consenso que a atividade econômica avançou em 2017, apesar desse movimento ser lento e gradual. Espera-se que em 2018, a economia siga avançando e dê mostras mais consistentes de que estamos no rumo da recuperação, com geração de emprego e retomada das vendas”, afirma a economista.

 

O Indicador de Confiança é composto pelo Indicador de Condições Gerais e pelo Indicador de Expectativas. Por meio da avaliação das condições gerais, busca-se medir a percepção dos micro e pequenos varejistas e empresários de serviços sobre os últimos seis meses. Já através das expectativas, busca-se medir o que se espera para os próximos seis meses.